Você está em:

Notícias Gerais

Homem compra Lamborghini com auxílio do Coronavírus

 

Os alemães têm uma palavra para o sentimento de satisfação quando alguém se dá mal: schadenfreude, que pode ser traduzida como “prazer na dor alheia”. Pois bem, o dono de uma franquia foi acusado de desviar dinheiro de um fundo de combate a falências devido à pandemia de coronavírus para comprar um Lamborghini Huracán Evo 2020.

 

O fundo faz parte de um pacote de ações do governo de Miami para que donos de estabelecimentos paguem funcionários enquanto as lojas permanecem fechadas. David T. Hines, 29 anos, recebeu US$ 3,9 milhões (R$ 20 milhões) para cobrir os custos mensais de quatro unidades de suas lojas.

 

Foram três pedidos para receber o dinheiro que somaram quase US$ 4 milhões. Na quarta tentativa, solicitando um valor ainda maior, o Bank of America começou a questionar os valores. Os gastos estimados com os 70 funcionários de Hines não ultrapassavam US$ 200 mil. 

 

A auditoria do governo apontou, baseado no histórico das empresas de mudanças do empresário, que o dinheiro não foi gasto com trabalhadores “que poderiam nem existir ou receber qualquer parcela do valor destinado a ajudá-los”.

 

Em vez disso, Hines comprou um Lamborghini Huracán 2020 azul,  cujo valor estimado é de US$ 318 mil (aproximadamente R$ 1,6 milhão). Além disso, pagou US$ 60 mil para um contato chamado “Mãe” e gastou US$ 4 mil na loja de luxo Saks Fifth Avenue, US$ 8,5 mil na joalheria Graff e US$ 7 mil em um hotel de luxo em Miami.

 

Mas o empresário não foi pego na malha fina do programa de ajuda financeira. Hines se envolveu em um acidente em julho, e seu Lamborghini foi apreendido na ocasião. Os fiscais desconfiaram que o dono de um pequeno negócio pudesse ter um carro tão caro e envolveram seis departamentos diferentes, entre Justiça e Fazenda, para ajudar na apuração do caso.

 

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos afirma que Hines responde pelas acusações de fraude bancária, falso testemunho para instituição financeira e envolvimento em transações ilegais.

 

Ele pode pegar até 70 anos de cadeia, mas responde em liberdade e atualmente usa uma tornozeleira eletrônica, após pagar multa de US$ 100 mil. No final, passou a morar com sua mãe. Schadenfreude.

 

 

fonte: AutoEsporte


Comente








Notícias da Cidade